Viver intensamente

Viver intensamente é um dos motivos pelo qual este espaço virtual existe. O que já explica que, neste caso, o viver intensamente não quer dizer que faço tudo o que quero (porque a realidade é longe disso), mas diz respeito ao sentir; ao 8 ou 80 das emoções.
Gosto de viver assim, já que na maioria do tempo, me permito ser inteira. Mas tudo na vida possui os seus prós e contras e enquanto não tenho dinheiro para a análise, escrevo umas bobagens para as coisas ficarem mais leves. O maior contra é de que a tristeza será sempre proporcional a quantidade de alegria – o que pode gerar uma carga de ansiedade e estresse dependendo da situação vivida.  É praticamente impossível guardar as coisas apenas para si, palavras e sentimentos são constantemente vomitados em lugares e pessoas. O maior pró, por sua vez, é de que pequenos momentos como comer aquele bolo favorito, beber uma cerveja, ir à um show ou assistir a um filme  tornam-se coisas extremamente prazerosas, ou seja, a razão para se estar vivo não é de grande ambição. E do outro lado da moeda, um emprego perdido, uma frustração amorosa ou uma data esquecida transformam-se em um show de drama à parte. E ainda tem um outro ponto importante, a capacidade de sonhar, mas sonhar muito!  E ai, a vida segue nesse eterno super, mega, exagerado(!) ritmo de emoções. Nem tudo o que é caos é necessariamente mau.  Lembrei-me de um texto maravilhoso que li no Obvious, em que a autora se utiliza do termo “sentimento oceânico” para expressar exatamente isso que estou tentando dizer. Ela diz que “oceânico é o sentimento capaz de fazer caber em si a imensidão do mundo.” A autora ainda reitera que há dias em que há em nós sentimentos mas sem oceanos: dias engolidos pela rotina e sem motivação. E, por outro lado, há também oceanos sem sentimentos: situações vividas sem emoção por qualquer motivo que seja. E, por fim, a conclusão é de que cada um experimenta as coisas ao seu modo. Se você tem todos os oceanos do mundo dentro de si quando olha pra pessoa amada, tudo bem. Mas se você não tem 1 litro de água do mar, tudo bem também. A sua conexão com o mundo e com as pessoas a sua volta é só sua. O importante é nunca desistir de buscar o equilíbrio entre a euforia e a preguiça aguda.
Já dizia Fernando Pessoa:
“Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.”

A felicidade é só questão de ser.

12009704_10205232423070512_8242745957205033339_n

e/ do alto de uma janela/ também posso me vestir de preto/ para apitar o final. (Poesia de André Dahmer do livro “A coragem do Primeiro Pássaro”).

Texto completo – sentimento oceânico

🙂 ❤

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s